Você pode não fazer nada, mas um dia vai sentir.

A gente evolui, querendo ou não. A cada situação que nossas mentes e corpos passam, temos nova consciência. O que não era possível ser percebido, agora é.

Você pode escolher não sentir, mas não é sua escolha. Você pode escolher suprimir os sentimentos, mas você não suprime. Você está sentindo tudo, e reprime ao não se permitir sentir. E se oprime ao não escolher tomar uma decisão com o que sente.

Continuar a ler

Suposições e o conveniente

Quando eu tenho suposições, posso ir por dois caminhos. Abrir para perguntas ou aceitar que isso pode ser verdade, até que se prove o contrário.

Uma suposição pode ser conveniente. Eu trago algo como suposição por não querer gastar o tempo necessário caso eu classifique como uma real dúvida. E não tenho nada a não ser histórias e opiniões para chamar de certeza.

Continuar a ler

Quem acalma quem acalma?

Eu me sinto uma pessoa introvertida. Sou quieto, observador e acabo por ser bastante imaginativo. Funciono bem criando cenários e pensando em piores casos por vezes, não por pessimismo, mas para amplificar o pensamento.

Normalmente estou sempre disponível para apoiar quem está precisando conversar, quem precisa de escuta, quem tem um problema. Falo que não sei o meu propósito, mas aprendi que é melhor fazer as coisas de propósito.

Normalmente, mas não sempre.

Continuar a ler

Tempo de conectar

No mundo remoto, a comunicação precisa acontecer de forma intencional. E para ser intencional, precisamos de tempo. E para ter tempo, precisamos criar ou cuidar.

Tudo isso acontece para que possamos conectar. E o conectar nem é exatamente simultâneo. Pode ser agora, respondendo uma mensagem de ontem. Pode ser um almoço. Pode ser um evento.

Continuar a ler

Cinco minutos para o silêncio, para respirar. Ou… eu preciso deixar meu eu jogar.

Treino é treino, jogo é jogo. Amistoso não é jogo. Agora, o modo treino e o modo jogo deveriam ser um só, mas por algum motivo meus sensos não detectam essa urgência nos esportes.

Eu sei que o meu modo treino funciona muito bem. Presente, focado em acertar a próxima bola, em fazer o próximo movimento. Com visão de presente e pra frente.

Nas ações do trabalho com tecnologia e na gestão de crises e onde preciso puxar toda criatividade possível, ele funciona muito bem. Talvez por eu acreditar que somente a prática e a vivência me permitem chegar na excelência. Me mantenho relaxado também pois aprendi que não existe solução gritando com software, por enquanto. E mesmo que venha a existir, não acho que vai adiantar.

E nos esportes, não consigo estar em modo jogo diariamente. Eu não tenho jogos todos os dias. Já pensei em criar algo parecido para construir essa consciência, mas o meu corpo atual não iria aguentar, mas isso é assunto para outro texto.

Então estou indo por um outro caminho, no caso dos esportes.

Continuar a ler

ABCD de como destruir uma relação de equipe.

Tava vendo uma postagem sobre parcerias e equipes se separando e algumas palavras, ou pelo menos palavras parecidas me chamaram atenção.

Os fins de projetos, de equipes e de relações por assim dizer são cheias de julgamentos e de pensamentos do que as outras pessoas poderiam ter feito. Depois de um tempo a gente passa a ter espaço para pensar no que a gente mesmo poderia ter feito. Nenhuma relação precisa durar pra sempre, nem exatamente ser infinita enquanto dure… como diz o poeta.

Não importa se estamos falando de empresas, parcerias ou relacionamentos onde a base deveria ser o amor… estes quatro itens me parecem valer de forma completa.

Continuar a ler