Sobre certezas…

A única coisa certa é que todo dia você vai achar algo que poderia ter feito melhor. E aí então? Faça melhor amanhã. — Daniel Wildt

É impressionante como parece que errar é algo de outro mundo. E a confusão aumenta mais por ouvir que errar é humano. Por vezes parece que não é.

Exemplo? Ao desenhar, use lápis, para o caso de você errar. Não! Não tenha medo de usar uma caneta. Ninguém está pedindo por um traço perfeito.

A sua arte é algo que vai melhorar continuamente. Sua consciência do que faz também. O grande jogo é não ficar se questionando e deixar seu fluxo acontecer. Seja você um artesão, um escritor, um desenvolvedor, um empreendedor, o que for.

Ao longo da vida somos requisitados a sermos mais e mais travados. A cada avanço, parece que perdemos a habilidade de funcionar de “modo livre” e cada vez mais precisamos funcionar em cima de um manual.

Errar é parte do processo de experimentação. E com a reflexão, também é parte do processo de ganho de responsabilidade sobre as nossas ações.

Errar não é simplesmente aceitar a falha e seguir em frente. É melhorar, refletir, sentir vergonha se for este o caso, sentir. A mudança não vem no arrependimento. Não se arrependa dos seus atos. Agora, nada impede de você sentir vergonha do que faz. Aí existe espaço para reflexão, empatia e melhoria.

Nas minhas leituras sobre Brené Brown, venho aprendendo a dar mais atenção para uma série de questões. E agora na escuta de Rising Strong, aparece o BRAVING, que tem me ajudado nas reflexões:

  • Boundaries: estabeleça seus limites. Até onde você vai e o que você não vai fazer. Evite o “deixa a vida me levar”, “só existe uma vida”. Você pode fazer o que quiser, só tenha consciência do que estiver fazendo. Esse tem sido o maior aprendizado para mim.
  • Reliability: você vai fazer? Faça. Você falou que não vai fazer? Não faça. Faça o que você combinar que vai fazer, seja consistente.
  • Accountability: seja dono das falhas que você causa. Seja responsável pelo seu desenvolvimento e pelas suas ações.
  • Vault: Compartilhe o que é seu. Tem a ver em parte com a questão dos limites (boundaries) também onde devemos evitar fofoca por exemplo. Eu normalmente uso a frase “foque na sua vida”. Não somos donos das vidas dos outros.
  • Integrity: No livro a Brené Brown fala em coragem acima do conforto. Fale o que você precisa falar. Esse tem sido bastante interessante, pois ao mesmo tempo que queremos cuidar das situações evitando conflitos, surge a necessidade de nos posicionarmos. E o trabalho é como funcionar neste item mantendo a comunicação com ação.
  • Non-judgment: A Comunicação Não Violenta tem me ajudado bastante neste item. Requisitar o que preciso, e ter coragem de fazer os pedidos daquilo que é importante para mim em um determinado contexto.
  • Generosity:  Eu sempre confio que as pessoas estão fazendo o melhor que podem, algo como uma primeira diretiva das retrospectivas.

Desafie as suas certezas, e encontre seus momentos de reflexão.

— Daniel Wildt (acompanhe meus vídeos pelo youtube)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s