Certezas, incertezas… e o “eu acho”. Que muitas vezes vira um “faremos assim”.

Eu estava vendo uma entrevista do Cortella, comentando sobre “o achar”. Na conversa ele trouxe que a gente pode achar o que quiser, desde que não tenha consequência concreta. Aí que o jogo começa a ficar diferente.

Na programação neurolinguística a gente fala em condições de boa forma e uma delas fala sobre “ecologia”. Que nossas ações não poderiam impactar negativamente outras pessoas.

Parece algo simples, mas esses princípios ajudariam muita gente a construir uma capacidade de pensamento crítico. 🙂

A coisa mais importante de achar algo é poder entender se esse achismo é uma certeza, uma suposição ou uma dúvida.

O movimento de transformar um “eu acho” em “é neste caminho” não poderia acontecer sem dados e alguma consciência de impacto.

O movimento poderia acontecer melhor a partir de validação, a partir de aprendizados e estruturas de perguntas que nos ajudam no que precisamos aprender a respeito.

Valorize a incerteza. Não tenha tantas certezas sobre certezas.

— Daniel Wildt

Este conteúdo fez sentido para você? Você pode apoiar e acompanhar meu processo de criação de conteúdo mais de perto! Apoiando financeiramente você pode participa da comunidade e recebe antes as entregas que realizo no projeto “A filosofia da tranquilidade”. Acesse apoia.se/dwildt e entenda sobre valores e entregas!

2 pensamentos sobre “Certezas, incertezas… e o “eu acho”. Que muitas vezes vira um “faremos assim”.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s