Você até pode ir no ritmo da vida, no ritmo que a vida levar, mas isso não quer dizer que você deva deixar a vida te levar.

Quem está tocando a música e quem está conduzindo a dança? 🙂

Tava ouvindo Wander e fiquei pensando sobre o ritmo da vida. Por vezes estamos correndo, por vezes ela fica chata, leve, pesada, chata, desafiadora, chata, feliz, chata. Chata. Tá, nem sempre. Muitas vezes a gente não controla o que acontece. Conseguimos muitas vezes escolher os projetos que entramos e aceitamos os imprevistos deles, mas tudo tem seus limites, ou o que é controlável.

David Allen fala muito sobre a nossa necessidade de sair do piloto automático, de termos formas de voltarmos para o presente. Eu falo sobre conceitos como JOMO, AIF… e outros que nos tentam trazer a realidade do que o nosso mundo nos oferece.

Não nos sobra o controle, nos sobra a temperança, sobra que a gente cuide do que é da nossa vida. Tudo o que temos são sistemas, e queremos aceitar ou mudar como eles se apresentam.

— Daniel Wildt

Extra: No ritmo da vida, Wander Wildner.

Este conteúdo fez sentido para você? Você pode apoiar e acompanhar meu processo de criação de conteúdo mais de perto! Apoiando financeiramente você pode participa da comunidade e recebe antes as entregas que realizo no projeto “A filosofia da tranquilidade”. Acesse apoia.se/dwildt e entenda sobre valores e entregas!

3 pensamentos sobre “Você até pode ir no ritmo da vida, no ritmo que a vida levar, mas isso não quer dizer que você deva deixar a vida te levar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s