Sobre certezas…

A única coisa certa é que todo dia você vai achar algo que poderia ter feito melhor. E aí então? Faça melhor amanhã. — Daniel Wildt

É impressionante como parece que errar é algo de outro mundo. E a confusão aumenta mais por ouvir que errar é humano. Por vezes parece que não é.

Continuar a ler

Empoderar, habilitar ou simplesmente potencializar? 

Em um papel de liderança, o natural pode ser desenvolver outros líderes, mas percebo uma necessidade mais imediata que pode ser simplesmente tornar visível que as pessoas são capazes de fazer mais do que fazem.

E quando falo em fazer mais do que fazem, não é em quantidade de horas, mas em alcance. Sabe aquela “não sabendo que era impossível foi lá e fez“? É algo por aí que percebo muitas vezes nas pessoas que tenho a oportunidade de trabalhar.

Continuar a ler

Carreira ou identidades?

Quando termina o colégio precisamos escolher 1 profissão. Quando estamos na faculdade, escolher uma especialização.

Carreira no dicionário é qualquer profissão ou especialização que ofereça oportunidades de progresso ou promoção hierárquica. “Caminho para carros” no latim.

E se eu fizer a escolha errada? Béééé!! Pergunta errada.

E se não fosse necessário fazer uma escolha?

Continuar a ler

A importância do foco e do jogo interno!

Taylor Townsend, tenista, surpreendeu e trouxe uma discussão sobre a forma física de uma pessoa esportista. A discussão muda de figura quando se questiona a capacidade de competir. Quando se questiona o quanto de foco se consegue colocar pro jogo.

Quando comecei a treinar tênis, existia uma busca minha por consistência, força, de acertar as batidas, de sacar melhor, forehand, backhand, slice e tudo mais… sem dúvida o treino dos fundamentos é importante. É essencial!

O ponto é que depois de algum tempo treinando comecei a notar que tinha capacidade de perder jogos que estavam praticamente ganhos, e também tinha capacidade de ganhar jogos que estavam perdidos. E principalmente de notar que não era sorte. Este tem sido o melhor aprendizado do tênis na minha vida, de conseguir entender porque mentalmente eu ganho, perco e me recupero de situações.

Da mesma forma, comecei a notar que na minha vida pessoal e profissional, tinha vitórias e derrotas sem entender porque elas aconteciam. De novo o jogo mental aparece e me mostra que tem algo mais acontecendo.

Continuar a ler

I am …!?

In order to start saying “I am …!“, we need first to ask a question. And it can be: “Who am I?“. Sometimes that question is a huge question. Then we can start with a different question like “How do I want to live?“. Just to think about a life style.

Or… maybe just think about your dreams.

Continuar a ler