Épicos ou User Stories? #dwildt101 ep 46

Qual a diferença entre épicos e user stories? Eduardo Brasil mandou a mensagem e no vídeo falo de conceitos como 3C e cone da incerteza.

Um épico é um início para pensar nas entregas de valor. Pensar em um épico também é uma forma simples de criar um lembrete para algo que pode se tornar importante mas depende de priorização e momento do seu produto/projeto.

Continuar a ler

Livros! Novidades publicadas gratuitamente!

Pra quem ainda não acompanhou, publiquei dois livros gratuitamente. Eu já comentei um pouco sobre a importância de gerar conteúdo para a audiência. E tenho trabalhado para construir uma rede de pessoas que se interessam pelos assuntos que escrevevo, hora técnicos, hora relacionados a vida, passando até pelas poesias.

Fiz um falando sobre a vida, em cima de uma pegada de estilo de vida e como podemos priorizar mais a nossa vida para o que queremos realizar nela. O nome dele é Viva Seu Tempo. E se você curtir muito esse livro, ajuda a divulgar ele por aí. Quero mais gente tendo acesso a este material e todas as técnicas que apliquei e mudanças de comportamento que pude observa neste processo.

O outro livro é mais técnico, para quem trabalha com especificação de atividades que precisam ser executadas em um projeto. Na evolução de um projeto, conforme o nosso conhecimento cresce e avança, temos a possibilidade de detalhar mais e saber do que precisa ser feito. As histórias de usuário.

Eu já comentei que estou lendo um livro por semana. Quem sabe não começo a publicar um livro por semana também? Semana que vem tem mais um saindo do forno. Quer ficar atento? Vai ser um livro sobre empreendedorismo.

#blogabout 8/out

Falando com o Thiago Esser sobre definir preços das coisas, lembrei da palestra do Fabio Pereira (ThoughtWorks) no Agile Brazil 2013.

Se você está querendo saber para onde vai o seu tempo quando você está na frente do computador, e você curte ferramentas de software, uma ferramenta que pode ajudar é o produtivo.eu. Dá uma conferida. Eu particularmente acabo me guiando quando é o caso pelos Pomodoros e Songdoros, tentando entender minha cadência e buscando o máximo de foco. Mas no passado já usei ferramentas para poder entender em que aspectos do meu dia acabava usando meu tempo.

No QCon de São Paulo, ministrei um workshop chamado User Story Mapping. A escrita de User Stories, um dos pilares das práticas ágeis, incluindo uma discussão de formatos possíveis e o padrão 3C (Card, Conversation, Confirmation), tamanhos e estimativas (ou entendimento das classes de serviço), critérios de aceitação, épicos e técnicas de apoio (exemplo paper prototyping). Este mesmo workshop é o que vou fazer com o Rafael Helm no dia 28 de outubro lá no TecnoPuc.