Entrevista com Cecilia Burtet sobre hackerspaces, aprendizado e ciência aberta – #CaminhoEmpreendedor

Durante o FISL de 2015, tive a oportunidade de conhecer algumas histórias, entre elas a da Cecilia Burtet, pesquisadora sobre assuntos muito legais. Depois de conversarmos um pouco, resolvi gravar em vídeo para que outras pessoas possam conhecer o trabalho dela. Cecilia é autora da Dissertação de Mestrado “Os saberes desenvolvidos nas práticas em um hackerspace de Porto Alegre”. Confira aí.

Continuar a ler

Projeto Startup no DUG-RS inicia sábado 26 de maio de 2012!

Uma das coisas que acredito, é que um desenvolvedor deve ser capaz de desenvolver um software por completo. Gestão, comunicação, análise, codificação, testes, automação, infra… e desenvolvimento de produtos! Ser um empreendedor, ser inovador, sempre em busca de desafios.

Mas como conseguir evoluir em todas estas áreas? Primeiro, o ponto é entender quais destas áreas você realmente gosta e quer ter excelência técnica. E buscar formas de criar, aprender, inovar.

O Grupo de Usuários Delphi do Rio Grande do Sul inicia neste sábado o “Projeto Startup“. A ideia é reunir a comunidade Delphi e criar algo, com as seguintes características:

  • Conceber um produto, usando técnicas de desenvolvimento de produtos, como se este grupo fosse uma startup. Criar experimentos e buscar criar um produto que cresça e ajude um determinado segmento de clientes.
  • Desenvolver e promover o software livre, criando um ambiente de colaboração e liberdade para quem desenvolve com Delphi e quer aprender e ensinar.
  • Permitir que as pessoas possam evoluir em áreas onde tenham interesse, seja análise, design, usabilidade, programação, infra estrutura.
  • Buscar inovação, sejam com tecnologias do Delphi ou tecnologias relacionadas, exemplo Amazon Web Services.
  • Permitir evolução técnica da comunidade Delphi.
  • Uso de práticas e disciplinas e princípios das Metodologias Ágeis.

E onde eu entro nesta? Bom, fundei o DUG-RS em 2004 e estarei sempre ajudando a comunidade a se manter. E neste evento específico, estarei iniciando este trabalho com o pessoal, através de uma versão “extra-super-light” do Workshop Da visão a  Produção, ajudando o pessoal a desenvolver um novo produto, entendendo o que pode ajudar algum nicho de mercado e entregar de forma efetiva e constante um produto desenvolvido de forma colaborativa pela comunidade.

Então é isto. Sábado, 26 de maio de 2012, a partir das 08h45min, na Faculdade Dom Bosco em Porto Alegre, inicia o Projeto Startup do DUG-RS! Se você gosta de delphi, análise de negócios, desenvolvimento de produtos, startups, open source, métodos ágeis, este é o momento! Apoie e ajude!

How technology evolves in a team?

Dilbert is always nice. On Oct 17th 2011, the comic strip was about building a 5-year technology plan for the CEO.

How is technology evolving in your team nowadays?

What triggers new technology to be selected for a proof of concept, for some sort of research or even for an internal project?

Here are some options you can think about:

  • Presentation events: build a morning or a night to get the team together and have lightning talks, 5-10 min talks about technology, management, out-of-box-thinking, things that can spark, trigger new directions to the team. Examples are TED talks or Desconf (in portuguese – this is an initiative I help).
  • Coding Dojos: having a regular coding dojo agenda, can help the team to practice their programming skills, try different languages and frameworks. With this, new ideas will come up eventually and there you go, more options to use inside the team. You will also work on pairing skills, test automation skills and will find a better team integration.
  • Hackatons: Think about initiatives like Rails Rumble or Random Hacks of Kindness (RHoK). Think about days where people get together to solve a problem, trying some engagement in the local community.
  • Blogs: tell people what are you learning and share knowledge. Telling what your team is trying, without violating some internal rule with the company. Creative Commons content. You will probably show something that is already online, but making it easy for someone else to find and use the documentation.
  • Yammer or other internal social network like Chatter: show what are you doing internally. Motivate others. Create some groups where people with same interest can share ideias and promote. Create a more online and active team sharing what’s happening. It’s a way between IM (sync) and e-mail (async) communication. And a form of communication where you want to be short and concise.

Revendo 2011: é dia de Java, Java One Latin America e RSJUG de volta!

Então, dias 26 e 27 de agosto ocorreu o É dia de Java 2011, evento realizado na UFSCar junto com a galera do SouJava. Eu tive duas participações no evento, primeiro fazendo o workshop “Da visão a Produção” na sexta-feira a noite. Depois do workshop fui fazer um lanche com Fabio Velloso, Wagner Santos e Dalton Stoqui, e infelizmente foi a primeira vez que eu perdi para um Xis/Bauru/Sanduiche. No sábado fui palestrar sobre métricas, com uma palestra chamada “Da métrica a diversão“. Os fontes usados como base estão aqui no github.

Em novembro de 2011 estava grande a expectativa pelo Java One Latin America. E quando saiu a lista de palestrantes aceitos, lá estava eu! Tive a oportunidade de falar sobre eXtreme Programming, integração e entrega contínua de produtos. Falei sobre diversos tópicos, sobre a importância de termos feedback do nosso cliente sobre o que está sendo desenvolvido, sobre Lean Startup, sobre práticas do eXtreme Programming e depois mostrei alguns exemplos de como podemos “ganhar” em produtividade de deploy de aplicações. Mostrei um exemplo de script Ant fazendo a automação para deploy de um aplicativo no TomCat 7, rodando antes disto uma série de ferramentas para apoio a automação, com testes e auditoria de código. Em outro exemplo, mostrei um aplicativo feito com Play Framework, fazendo deploy no Heroku. Mais sobre a palestra:

Integração e entrega contínua de produtos? Que venha o eXtreme Programming!

Ser capaz de realizar um deploy de forma contínua não requer apenas habilidades no processo de deploy. E não tem nada a ver com reações rápidas a mudanças ou iterações curtas. Tem a ver com prevenção e aplicação de práticas de engenharia de software efetivas. O objetivo desta palestra é falar como as práticas do eXtreme Programming podem ajudar times Java a alcançarem a qualidade de código necessária para que se possa liberar software em produção de forma contínua e segura. Veremos ferramentas opensource, métricas, automação e riscos minimizados. Com participação da equipe toda e melhoria contínua. Lembre-se: entregar software em produção, para fazer bug fix / patching, não é entrega contínua. É bagunça generalizada, que pode ser evitada.

E para fechar 2011, fizemos a “reativação” do RSJUG, o Grupo de Usuários Java do Rio Grande do Sul. Com o apoio de Leandro Nunes, fizemos um evento fazendo um repeteco da minha palestra do Java One Latin America e depois um bate papo para entender como a comunidade do Rio Grande do Sul pode voltar a fazer eventos e criar novas ações. Fizemos uma relação de atividades que poderão ser desenvolvidas em 2012.

en: What would you do to change someone else’s world for better? Inspiration and effect!

Sometimes I see people saying that they don’t need to do anything to improve the world they live in, since they do their part, paying taxes. Some believe that government needs to take action.

I have another opinion about it, and as far as I know, lots of people have another opinion too.

In summary: What we have in place, it’s not enough. Waiting on government, will not help at all. We need action. We need to help people to take action. Let’s do it ourselves.

The thing is: people develop ways to do good to their communities, and therefore to their cities, countries and bingo, world!

But how? Is there a ticket to buy somewhere?

Do we need something huge like a “live aid“?

No.

Do we need a disaster to happen, to start looking for these things?

No.

Do I need to wait for World Social Forum to come to my country?

No…

So, give one example of movement to help and/or follow!

Looking at software development world, we have opensource software, a movement that creates an environment for knowledge sharing. An environment that helps people all around the world to build better software, and have access to computer software with less costs.

With these things, other people can do good to their communities. That’s good.

That’s a way to help changing someone else’s world.

But, let’s take a look at “a thing” that is universal… music!

I’m gonna use as an example, Playing for Change.

Here’s a message: no matter who you are, no matter where you go in your life, at some point, you gonna need somebody to stand by you. Check this:

That turned out to become a movement all around the world, called playing for change.

But, how that’s relate to software world?

They did something and later on they realize that it was big and could become a movement to help people to help people. Musicians could make this happen.

So… we need to understand how to make a movement?

Maybe… check this TED.com talk about how to start a movement.

So this is all about following someone and help the movement to grow. Some movement you believe and want to help.

Here I go then. Follow me.

Well, every time I do an event related to technology, where I get a lot of people together, I do some action for those who need help, with donation of food or clothing.

It’s like a “presenting for change“, where you have people doing what they love to do, presenting technology, running coding dojos, but with a social action together with it. It is a simple way to continue being who you are, and doing what you do, but getting different results from your actions.

If you are working close to a technology users group (take Java or Ruby or Agile for instance), you can do that.
If you are doing an event, you can add some kind of donation to an entity that needs help in your event schedule.

So, all my events will have an entry pass, a donation?

Well, if it is a donation, you can’t make it mandatory. But, you can ask people to bring donations! They have a choice. Give them a choice. They will bring donations, if they want to!

So, bottom line is?

Look around and you will see that a lot of people need help. Check for nongovernmental organizations that need help. You will not be able to help them all. Help some of them, check for local needs, ask for help to understand and find organizations that need more help. And help them. With the help of your community. You will find people willing to help. Go for it.

Let’s Help It!

This post was first wrote in May 17th of 2010. It was on my draft since today. Since then I was searching for a way to help this new movement to happen. And here we go again. Let’s Help It! It is an open source software deployed in a free cloud environment, where you can add organizations near you. Therefore other people looking for organizations where they live, can look at that.

It took less than a month to build the first release of the software (from Aug 8th to Aug 31st), following Engineering practices from Agile Software Development Methodologies, with free time from a team of great developers, people I respect a lot. Thanks a lot to all people who made it happen and will continue. And if you want to make it happen too, help us to improve the software! Get in touch and play with us!

Entrevista sobre Metodologias Ágeis para o pessoal da Bluesoft

Conversei com o Luiz Faias no Agiles 2009. O Luiz é uma figura que está em praticamente todos eventos de Metodologias Ágeis que participo, seja palestrando ou participando, se faz realmente presente na comunidade e agora está com uma série de vídeos no blog da Bluesoft.

Falei com eles sobre o uso de Metodologias Ágeis no mundo acadêmico, que foi assunto de uma das palestras que fiz por lá, e passei algumas dicas de sites.

Ainda falando sobre Bluesoft, vale a pena conferir o Pronto, software open source desenvolvido pelo pessoal da própria Bluesoft para gestão de projetos que usam Metodologias Ágeis.

[update nov/2014] E claro, não posso deixar de citar o Acelerato, software para gestão e helpdesk da Bluesoft.