#PartiuAgile – Pré e pós jogo do Scrum – T01E04

Quando se inicia um projeto precisamos saber se estamos prontos para começar. Este estar pronto para começar, requer que o time tenha entendimento de onde quer chegar.

Esse alvo mais claro vai ajudar a entender como quebrar o trabalho a ser feito em entregas de valor, mas sabendo que já se possui uma base de negócio clara com todas pessoas da equipe.

O trabalho de pré-jogo do Scrum vai ajudar no desenvolvimento do backlog do produto, uma lista de itens a serem entregues, priorizado conforme o critério usado no time para perceber valor.

Continue a ler “#PartiuAgile – Pré e pós jogo do Scrum – T01E04”

Chegando ao tal MVP (Minimum Viable Product)

Um MVP, no português Produto Mínimo Viável, pode ser visto como a versão de um produto ou serviço que vai ser colocada a teste, para a comunidade tida como público alvo do mesmo.

Um MVP não precisa ser um software pronto. O Dropbox tem a história clássica de fazer o pitch do produto tendo apenas uma página de sign-up e um vídeo mostrando como o serviço “funciona” (na época não existia nada).

O que se quer neste processo? Validação. Entender o que está sendo feito e poder validar com usuários potenciais. Ganhar aprendizado para poder ajustar e poder testar com uma gama maior de usuários. Entender se as taxas de conversão seguem funcionando e de preferência crescendo.

Queremos entender se o entendimento do produto/serviço é claro para o público que estamos buscando e também entender se existem outros públicos para qual deveríamos estar dando atenção.

Um projeto colocado em uma plataforma como o Catarse ou Kickstarter pode ser visto como um MVP.

Ao lançar um MVP, existe uma intensão, um experimento. Queremos testar alguma hipótese, vendo se o texto está sendo mais efetivo que o anterior. Vendo se o modo de divulgar o preço se faz mais atrativo que o modo anterior. Se quer validar e ganhar um novo aprendizado, para então se poder rodar um novo experimento.

Ah, o mais importante. Um MVP é o início. Não o fim. 🙂

Você pode citar exemplos de MVPs?

Apresentar sem slides ou com slides, ou fazer um mapa mental?

Palestra de MVP no GUDay 2012 da SUCESU-RS.
Palestra de MVP no GUDay 2012 da SUCESU-RS.

Me perguntaram quando foi que eu tinha começado a fazer apresentações usando mapas mentais. Fiz isto em eventos que participei neste ano, como TDC 2014 Porto Alegre e Agile Brazil 2014.

Bom, eu comecei a pensar e bem lembrei que foi já na época que buscava gravar minhas palestras sempre que possível.

E aí lembrei do GUDay de 2012! Então na prática faz algum tempo que venho me apresentando usando esta “estratégia”.

Vamos para a história. 🙂

Continue a ler “Apresentar sem slides ou com slides, ou fazer um mapa mental?”