Perguntas para um modelo de negócios?

Ao pensar em um modelo de negócios temos diferentes abordagens. Aqui eu selecionei duas abordagens, o Business Model Canvas do Alex Osterwalder, e o conceito do 10-20-30 do Guy Kawasaki.

Continue reading “Perguntas para um modelo de negócios?”

#dwresponde – Episódio 7 – Value Proposition Canvas

Um dos diagramas legais para se conhecer negócios é o Business Model Canvas. Nele se começa entendendo quem é o cliente atendido pelo negócio e que valor se gera para este cliente. O assunto do StartupDojo de Julho/2015 foi justamente para tratar sobre o Value Proposition Canvas. Qual o diferencial dele?

Continue reading “#dwresponde – Episódio 7 – Value Proposition Canvas”

#StartupDojo 2015! Valendo!

Seguindo na minha estratégia de contribuir com a comunidade empreendedora de Porto Alegre, lançamos a primeira edição do #StartupDojo de 2015! E para começar diferente, e aproveitar o verão, vamos fazer a edição em uma sorveteria!

Continue reading “#StartupDojo 2015! Valendo!”

Vai empreender? 3 dicas para você sair do chão!

Empreender sempre é desafiador. E para começar este post, vamos lembrar aqui que empreender não quer dizer você ganhando um CNPJ. Empreender é conseguir ou tentar fazer (algo muito difícil). Tentar. Colocar em desenvolvimento e/ou execução. Realizar.

Com isto, fica claro: empreender não é só criar uma empresa nova. Empreender pode ser um projeto novo dentro da empresa que você trabalha hoje. Empreender pode ser simplesmente um plano B que você está iniciando na sua casa durante os finais de semana. O principal deste processo é estarmos preparados para o sucesso e para a falha. No caso do sucesso, buscar o aprendizado de boas práticas que podem ser repetidas. E em caso de falha, não perca tempo criticando suas ações. Aproveite para aprender e tomar ação. Este aprendizado é essencial para os seus próximos passos.

Vamos para as 3 dicas?

Continue reading “Vai empreender? 3 dicas para você sair do chão!”

A vida como um serviço. Acesso ou propriedade?

Falamos muito sobre posse, propriedade. Queremos ter coisas. Ah, eu tenho isso. Tenho aquilo.

Exemplo, uma bicicleta. Eu não tenho uma bicicleta, mas usando um serviço chamado Bike Poa, consigo usar bicicletas através de estações espalhadas pela cidade de Porto Alegre. Quer dizer, eu posso ter posse de uma bicicleta, mas dependendo da quantidade de uso que faço da mesma, posso optar por somente usar o Bike Poa e ter acesso a uma bicicleta. Não mais propriedade.

Continue reading “A vida como um serviço. Acesso ou propriedade?”