Safety ou Segurança psicológica no dia a dia

Parece ser tão óbvio, mas não existe o óbvio! Existe o que observamos e as percepções que temos. E o que queremos? Espaços seguros. Só que isso começa conosco e como nos relacionamos com o assunto no dia a dia.

Pensa nestas situações:

  • Quando as pessoas preferem falar as escondidas.
  • Quando as pessoas não se envolvem pra solução, preferem fugir porque parece que foram as causadoras do problema.
  • Quando buscam falar com colegas, querem usar o espaço para falar de outras pessoas ao invés de si mesmos.
  • Quando pergunta sobre algo, o colega diz para buscar no google.
  • Quando o comportamento indica pra um profissional experiente que ele não pode falar com novatos para perguntar algo.
  • Quando alguém tem medo de falar que errou e bota a culpa em outras coisas e não se permite estar errado.
  • Quando não se permite não saber algo.
  • Quando se julga ao invés de escutar.
  • Quando se reage ao invés de respirar e silenciar.
  • Quando se acha que a certeza de um é maior que qualquer contribuição de um outro colega.

O desafio de criar um espaço seguro está em manter e se posicionar quando ele não está sendo seguro. Faz alguns anos o Joshua Kerievisky junto com a Industrial Logic cunhou o conceito de Anzeneering (anzen é o termo para safety em japonês).

Em 2015 conversei um pouco sobre este assunto com o Alexandre Freire, na época atuando com Joshua na Industrial Logic.

Deixo como sugestão duas imagens que podem ajudar para pedir reflexão quando perceber isso com o seu time. Podem funcionar como sinais. E um ponto de atenção. Pode ser que este sinal não funcione, e alguém resolva abandar os espaço de conversa… neste caso é simples: elas não querem viver o ambiente seguro para todos, somente para elas.

E aí? Deixe elas irem buscar o seu lugar individual, onde parece ser o único local possível. Um ambiente seguro envolve poder falar o que incomoda e também ser capaz de se manter em discussão para adequar as diferentes percepções. E lembrar do que queremos.

A única certeza é que temos diferentes estados. Ficamos felizes, ficamos irritados, ficamos tristes, ficamos chateados, surpresos, não importa. O que eu trago nesta discussão de segurança, é que não podemos virar uma pedra. Precisamos ser quem somos, e ter um ambiente que seja acolhedor.

— Daniel Wildt
P.S.: Quer saber um outro momento para identificar quando você não está em ambiente seguro? Quando você está tentando se encaixar no ambiente de trabalho, ao invés de pertencer.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s